Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A CASCA

Apoio à gestão de PME's (Contabilidade, Fiscalidade, Gestão de RH, Gestão de stocks, Projetos de Investimentos, Formação e Investigação) Escritório Virtual

PRESCRIÇÃO DE CRIME CONTRA A SEGURANÇA SOCIAL

Através do Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, proferido no processo n.º 2/2015, de 8 de janeiro de 2015, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) fixou jurisprudência no sentido de que, no crime de abuso de confiança contra a Segurança Social, o prazo de prescrição do procedimento criminal começa a contar-se no dia imediato ao termo do prazo legalmente estabelecido para a entrega das prestações contributivas devidas.

SS.jpgO caso

Uma empresa não entregou à Segurança Social as contribuições devidas até dezembro de 2005, cujo pagamento terminava em janeiro de 2006. Nem o fez nos noventa dias seguintes, o que levou a que fosse alvo de um processo-crime por abuso de confiança contra a segurança social, junto com o seu sócio gerente. Este, em março de 2011, foi declarado contumaz e só em outubro de 2011 é que ele e a empresa foram notificados da acusação. No final acabaram ambos condenados no pagamento de multas.

Inconformado com esta decisão, o sócio gerente recorreu para a o Tribunal da Relação de Évora (TRE) defendendo a prescrição do procedimento criminal já que, no seu entender, este se tinha iniciado no fim do prazo para entrega da prestação, em 15/01/2006, e terminado cinco anos depois, em 15/01/ 2011, ainda entes de ele ter sido declarado contumaz e do prazo ter sido interrompido.

O TRE rejeitou esse entendimento ao considerar que o prazo só tinha início depois de decorrido o prazo de noventa dias após o fim do prazo para entrega da prestação, ou seja, em 15/04/2006, pois só nesse momento é que o crime se deveria considerar consumado. Razão pela qual ainda estava a decorrer no momento em que o sócio gerente fora declarado contumaz e do prazo se ter interrompido. No entanto, como a declaração de contumácia não era extensível à empresa, quando esta fora notificada da acusação já o procedimento criminal se encontrava prescrito, o que levou à sua absolvição.

Como essa decisão estava em oposição com outra proferida pela mesma Relação, o Ministério Público recorreu para o STJ para que fosse fixada jurisprudência sobre a contagem do prazo de prescrição nos crimes de abuso de confiança contra a Segurança Social.

Apreciação do STJ

O STJ deu providência ao recurso, revogando a decisão do TRE e fixando jurisprudência no sentido de que, no crime de abuso de confiança contra a Segurança Social, o prazo de prescrição do procedimento criminal começa a contar-se no dia imediato ao termo do prazo legalmente estabelecido para a entrega das prestações contributivas devidas.

O crime de abuso de confiança contra a segurança é um crime de dano, que pressupõe a lesão do património fiscal do Estado, consubstanciado na tutela do erário da Segurança Social, assente na satisfação dos créditos contributivos de que esta é titular. Atualmente, para que haja crime basta que se verifique a omissão, total ou parcial, de entrega pelas entidades empregadoras das contribuições ao Estado, independentemente de ter ou não havido apropriação.

O facto de a lei ter passado a dispor que o crime só é punível quando as contribuições não tenham sido entregues no prazo de noventa dias sob o termo do prazo legal para a sua entrega constitui uma mera condição objetiva de punibilidade que em nada interfere no decurso do prazo de prescrição do procedimento criminal. Aliás, este tem início logo que termine o prazo para entrega das contribuições, ficando apenas condicionada a possibilidade de punição em função do pagamento ou não das contribuições nos noventa dias seguintes.

Segundo o STJ, o crime consuma-se no momento em que é ultrapassado o prazo para entrega das contribuições e não apenas depois de ultrapassado o prazo adicional de noventa dias para o fazer que, por razões de política criminal, a lei ainda concede. Razão pela qual é a partir do dia seguinte ao termo do prazo legalmente estabelecido para a entrega da prestação contributiva que começa a correr o prazo de prescrição.

Fonte: Boletim empresarial

Mais sobre mim

foto do autor

Stock-Off | Promoções

Links

ACASCA Enterprise

ACASCA Academia

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D